Home
Currículo
Patologias
Neuromodulação
Material de Apoio
Contato
Atendimento
Dr. Mauro França Jr.
Urologia
Aumento Prostático
Câncer de próstata
Cálculo Renal
Cálculo ureteral
Calculo de Bexiga
Incontinência Urinária
DST
Cálculo Renal

                         



                                                                      

        A formação de cálculos renais é uma patologia que acomete cerca de 6% da população.Os cálculos renais podem ter diversas composições e serem formados por vários motivos.

        Uma pessoa que teve um cálculo renal possui 50% de chance de desenvolver outro cálculo em 10 anos. Os cálculos renais variam de tamanho e de sintomas.O tamanho destes cálculos variam desde microcálculos até cálculos coraliforme (cálculos que se formam moldando o sistema coletor do rim).


                                                         
                                                 Fig.1- Locais onde os cálculos podem obstruir o ureter.

        Os sintomas variam conforme o tamanho e localização dos cálculos.Um cálculo menor que 5mm localizado em cálice renal pode ser assintomático, e o tratamento expectante neste caso pode ser oferecido.Mas este mesmo cálculo se impactar na junção do ureter com pelve renal pode levar a dor lombar de forte intensidade, infecção e dilatação do sistema coletor  fazendo com que a abordagem seja diferente do primeiro exemplo.O cálculo poderá impactar em outro dois lugares no ureter, onde o ureter cruza os vasos ilíacos e na sua junção com a bexiga.Quando o cálculo obstrui o ureter nestas posições a dor pode ser irradiada para a região anterior do abdome e até mesmo para escroto e vagina.A dor pode estar associada a vômitos ou outros sintomas gastrointestinais.

        O tratamento dos cálculos renais pode ser feito através de litotripsia extracorpórea utilizando-se ondas de choque na região lombar na tentativa de fragmentação do cálculo, este procedimento normalmente é utilizado para cálculos menores de 2 cm.Outra alternativa para cálculos renais ou de ureter superior menores de 2 cm é a utilização da ureterolitotripsia endoscópica flexível à Laser, neste procedimento um endoscópio é introduzido pela uretra e daí até o rim onde se localiza e fragmenta-se o cálculo utilizando uma fibra de Laser.

                                                          
                         
                                                         Fig.2 Litotripsia Extracorpórea

                                                        

                                                        Fig.3  Ureteroscopia Flexível  a Laser

        Classicamente os cálculos maiores de 2 cm são tratados com a Nefrolitotripsia Percutânea que consiste na realização de um acesso direto ao rim afetado através de punção e dilatação do trajeto até o diâmetro do nefroscópio ( óptica utilizada para filmar o cálculo ), então o cálculo é fragmentado sob visão direta através de um litotridor (máquina de fragmentar o cálculo) ultrassônico, pneumático ou Laser. Já está disponível o nefroscópio flexível que dá ao cirurgião maior conforto para fragmentar o maior volume de cálculo possível. Esta cirurgia pode ser feita com o paciente em diferentes posições na mesa cirurgica.

                                                          
                                                            Fig.4 Acesso Percutâneo ao rim.

Pós operatório

        Uretero flexível à Laser- Normalmente é necessário deixar um cateter duplo “J” no ureter (cateter fino que mantêm o fluxo de urina do rim até a bexiga) por um período de tempo variável. Este cateter habitualmente é retirado sob sedação em uma futura internação tipo “Day clinic”ou no consultório.

        Quando a cirurgia é feita eletivamente( de forma marcada) a maioria dos pacientes podem ter alta hospitalar com 24hs de internação.

          Nefrolitotripsia Percutânea-  Neste tipo de cirurgia também se utiliza o cateter duplo “J”  e normalmente uma nefrostomia       ( cateter temporário do rim até a pele), a internação varia normalmente de 2 a 5 dias

Complicações:

        Hemorragia ( sangramento), Hematúria (sangramento na urina), Infecção, necessidade de cirurgia aberta, Estenose de Ureter ( estreitamento do ureter) podem acontecer em ambas cirurgias.

        Na  Nefrolitotripsia Percutânea há complicações específicas desta cirurgia como o surgimento de uma fístula artério-venosa renal que são raríssimas mas podem acontecer e hoje em dia são manejadas com embolização da área afetada. A necessidade da realização de nefrectomia pós percutânea também existe mas é ainda mais rara.


OBS: Este site não tem o objetivo de substituir uma consulta. Procure um urologista


HomeCurrículoPatologiasNeuromodulaçãoMaterial de ApoioContatoAtendimento
Rio de Janeiro - CRM 52- 79476-7